quinta-feira, 23 de maio de 2013

Os robôs soviéticos da série Venera (I)

O Programa Venera se estendeu de 1961 até 1983; seu objetivo era a exploração robótica de Vênus.

A primeira tentativa foi efetuada com um lançamento parcialmente fracassado, em 4 de fevereiro de 1961. A nave foi chamada de Venera 1a, e foi lançada em órbita, a partir do Sputnik 7, com quase 6.500 quilos, que era uma plataforma de lançamento de um satélite Venera com destino a Vênus.

Em 12 de fevereiro de 1961 foi lançada a Venera 1, a partir do Sputnik 8, em órbita terrestre baixa. O Sputnik, com cerca de 6.500 quilos, lançou a Venera (cerca de 650 quilos) a partir da órbita terrestre rumo a uma órbita solar. Os objetivos da Venera, além de adquirir tecnologia sobre lançamentos diretamente do espaço, eram o teste de comunicações em distâncias muito longas e controle da estação espacial (Sputnik 8), além de diversos outros experimentos científicos, tais como um cálculo mais preciso das dimensões do Sistema Solar.

A Venera 1 foi a primeira nave disparada em direção a Vênus. Possuía um corpo cilíndrico com uma espécie de redoma no topo, com uma altura total de cerca de 2 m, e havia dois painéis solares laterais de dimensões relativamente pequenas.

Uma antena grande (mais de 2 m de diâmetro), de alto ganho, era a responsável pela recepção dos sinais de controle, e uma antena linear longa transmitia os sinais à Terra.

Os instrumentos científicos da nave incluíam um magnetômetro, detectores de íons, detectores de micrometeoritos e radiação cósmica. A redoma no topo da nave continha uma esfera pressurizada que continha as insígnias soviéticas, e era projetada para flutuar nos presumíveis oceanos de Vênus, após o pouso (a nave não continha retrofoguetes).

A missão, no entanto, não obteve êxito: uma semana após o lançamento, quando a Venera 1 estava a aproximadamente 2 milhões de km da Terra, o contato com a nave foi perdido. Em 19 de maio de 1961, a Venera 1 passou a cerca de 100.000 km de Vênus e entrou em órbita do Sol.
Houve, a seguir, diversas tentativas fracassadas de missões a Vênus:

Satélite
Data
Comentários
Sputnik 19 25/ago/1962 não saiu da órbita da Terra
Sputnik 20 1/set/1962 falha parcial
Kosmos 21 11/nov/1963 não saiu da órbita da Terra
Kosmos 27 27/mar/1964 não saiu da órbita da Terra

Novo fracasso com a Venera 2, lançada em 12 de novembro de 1965, que carregava um sistema de TV e instrumentos científicos. Em fevereiro de 1966, antes de alcançar Vênus, as transmissões pararam. A nave passou a 24.000 km de Vênus, e entrou em órbita solar.

A Venera 3, lançada em 16 de novembro de 1965, tinha como missão pousar na superfície de Vênus. Era constituída por um sistema de comunicações de rádio, instrumentos científicos e fontes de energia. Carregava um medalhão com as insígnias soviéticas. A nave, cujas comunicações com a Terra falharam antes dela alcançar a órbita, atingiu a superfície do planeta no dia 1 de março de 1966.

Em 23 de novembro de 1965 foi lançado o Kosmos 96, considerado como integrante do Programa Venera. A nave falhou em sua missão. Mais um fracasso com o lançamento de nova nave Venera, em 26 de novembro de 1965.

A nave Venera 4, lançada em 12 de junho de 1967, conseguiu transmitir informações durante a sua descida na atmosfera quente de Vênus. Em 18 de outubro de 1967 a nave entrou na atmosfera do planeta, e liberou uma cápsula com dois termômetros, um barômetro, um altímetro e medidores de densidade do ar, 11 analisadores de gás e dois rádio-transmissores.
O módulo principal da nave carregava um magnetômetro, detectores de raios cósmicos, indicadores de oxigênio e hidrogênio e detectores de partículas. O módulo de descida conseguiu transmitir informações durante a descida, até alcançar a altitude de 25 km (freiado por pára-quedas), até ser destruído pelas terríveis condições atmosféricas de Vênus.

Em 17 de junho de 1967 foi lançado o Kosmos 167, considerado como integrante do Programa Venera, com o objetivo de estudar a atmosfera superior terrestre e o espaço exterior. Não saiu da órbita terrestre.

Em 1969 foram lançadas duas naves gêmeas com destino a Vênus, tendo ambas alcançado os seus objetivos. A Venera 5, lançada em 5 de janeiro de 1969, e a Venera 6, lançada em 10 de janeiro de 1969, transmitiram dados durante a descida na atmosfera venusiana. Ambas as naves (cada uma de 405 quilos) eram semelhantes à Venera 4, mas com um projeto mais robusto.

Cada nave carregava um módulo de pouso, dotado de pára-quedas, além de instrumental científico. Também carregavam as insígnias soviéticas e um baixo-relevo de Lênin. A Venera 5 lançou o seu módulo de pouso no lado escuro de Vênus em 16 de maio de 1969, e a Venera 6 o fez no dia seguinte.

As duas cápsulas resistiram por aproximadamente 50 minutos, transmitindo informações sobre a atmosfera do planeta.

Um grande sucesso foi obtido pela Venera 7, lançada em 17 de agosto de 1970. O módulo de pouso da nave conseguiu transmitir dados durante os 35 minutos de descida na atmosfera, e mais 23 minutos após o pouso, no dia 15 de dezembro.

Foi o primeiro artefato humano a pousar suavemente em outro planeta e conseguir transmitir informações durante certo tempo.

Novo fracasso ocorreu com o satélite Kosmos 359, lançado em 22 de agosto de 1970.
Em 27 de março de 1972 foi lançada a Venera 8. Seus instrumentos incluíam medidores de temperatura, pressão e luminosidade.

Após 4 meses de viagem, o módulo de pouso da Venera 8 transmitiu informações até 50 minutos após o pouso, confirmando as informações colhidas pela Venera 7 no que diz respeito aos altos valores de temperatura e pressão atmosférica.




Módulo de pouso da Venera 8

A luminosidade de Vênus mostrou-se similar à dos dias nublados na Terra.

Mais um fracasso ocorreu com o satélite Kosmos 482, lançado em 31 de março de 1972.

Nenhum comentário:

Postar um comentário